18.10.06

Maquiando Clichês

Maquiando clichês

O que vem a ser de fato, "possuir um bom repertório"?
Basicamente uma simples questão de ego e de sobrevivencia social. Se você possui um bom repertório, poderá participar de inumeras conversas maquiadas. Momentos estes que podem ser vistos como envolvedores de clichês de cunho Cult.
Questionar uma situação mercantil e apontar Karl Marx como o dono desta perspectiva toda a décadas, já permite uma bela situação armada.
Se você tem um mínimo repertório, já poderá divagar sobre este momento que muitos estão repletos de conhecer de maneira superficial.
Dá quase no mesmo que falar do tempo! Mas com um fator de auto-elevação e socialização.
Ego!
Ah, voce também poderá fumar charutos e beber whisky 12 anos, basta ter repertório. O que é um 12 anos envelhecido em barril de carvalho? Nada como um cubano, ahh!
Etc.
Outro Clichê Cult que requer apenas um bom repertório, está ligado a cinema. Um mínimo senso de reconhecimento e de ligação entre títulos famosos e seus diretores, pronto. Você está apto a falar de cinema nas mais diversas rodinhas de intelecto. Memória seria o ítem básico pra isso.
Já que as análises são todas abertas mesmo, então o que vale é saber, pelo menos, 3 filmes que o Kubrick fez. O resto depende muito do ponto de vista não é?
Dalhe repertório!

Falar de clichê é um clichê alugado a Cult também.
Contraditória minha situação neste instante? Foda-se.
Enfim. Possuir repertório é importante. Para comentar aqui também. Sabe como é né? Ego!

6 comentários:

Diego disse...

Sobrevivência social é o nosso único objetivo de vida, Gabardo.

Compre livros com páginas de papel higiênico reciclado pela metade do preço - sim, aqueles que combatem a pirataria correndo pelos flancos - e pronto, você está protegido!

nathi disse...

então eu tenho repertório p/ vir comentar aqui, não?!
tudo depende de um repertório!
aliás, repertório é p/ poucos...

ahm... chega!
já falei d+ em 'repertório'...
mas o seu post tbm...

:)

yaco. disse...

Leia com sotaque nordestino:
"Tu vai no James é? Lá é o lugar que todo mundo quer ser diferente, e acaba sendo todo mundo igual, ôxe."

yaco. disse...

F5 nessa merda.

Cézanne disse...

Diparidodah
Diparidehh

marie. disse...

Gabardo, Gabardinho. Primeiro, gostei disso aqui! Senti-me completamente à vontade com suas palavras. Sobre o clichê dos clichês, eu concordo. O problema é que, você pode gostar mesmo de kubrick e passar por "impostor" por exemplo. Este é o pecado das generalizações. Tem tanta gente no mundo, é claro que logo você encontra pessoas que pensam e conversam sobre as mesmas coisas, e pode correr o risco de parecer CILADA! (cilada, cilada, cilada). Bom, a questão é: deixar de conversar sobre coisas que pareçam clichê pra fugir do clichê e se tornar blasé ou correr o risco de ser crucificado por ter adorado Amélie Poulain? Ai, ai.

Um beijo!